Friday, May 7, 2010

O nosso próximo não é o nosso vizinho, mas o vizinho deste

Vizinhos... Ai, vizinhos! Eu não tenho do que reclamar: Só tenho um.


Moro de esquina com um riacho ao fundo, o gramado de um centro de compras na frente (com as lojas beeeeem longe) e o casal da casa ao lado é fofo demais! Ele com uns 70 e pouquinhos e ela com quase isso, mas os dois hiper jovens, mais do que eu. Jogam tenis, viajam, fazem altasss festas (e assim podemos tb fazer as nossas e niguem enche o saco). São solidários, amigos, mas nada intrometidos. Cuidam da casa, das plantas quando viajamos... Masssssssssssssssssssssssssssssssssss: vizinhos têm vizinhos que têm vizinhos e na verdade é uma relação que vai ser sempre delicada, que está sempre "no limite".


É aquela frase que dizem que é do George Bernard Shaw: Se ofenderes o teu vizinho, é melhor não o fazeres pela metade. Nisso eu concordo. E eu sempre digo que quando um vizinho vem pedir alguma coisa gentilmente é porque ele já está pronto para exigi-la. Não, não estou falando de favores, que fazem parte da sociabilidade, da educação e de saber viver e conviver. 


Dou um exemplo do que eu estou falando: O quintal aqui é intercalado por cerca viva e cerca de madeira na parte que dá pra rua. O último bloco de cerca-viva, o que chega à água nunca havia sido podado. Cresceu, cresceu... Virou uma floresta de mais de 5 metros de altura hahahahaha Eu, como bichólatra, amei a quantidade de ninhos, os passarinhos todos... Mas os vizinhos nem tanto! A cerca escondeu o bem mais precioso aqui nesse país friorento: O sol! Não durante o verão, mas no inverno e inicio de primavera quando ainda é artigo raro. Nós esbarramos na vizinha um dia e ela : "gente, como as coníferas estão altas! Já estão virando 'árvores'. Olha, se vocês precisarem de ajuda para podar é só falar". Direta e sutil como uma típica brabantense bem educada. Desde então eu sempre lembrava do "pedido", de que tinhamos que arregaçar as mangas e enfrentar... Além do mais, a base da "cerca-árvore" estava ficando toda careca e logo logo todo mundo poderia ver nosso quintal da rua. Mesmo sendo aqui o país do BigBrother e deixar as cortinas das janelas da frente (sem muros ao redor) abertas ser um hábito, não é a minha... Finalmente fizemos um mutirão de três fins de semana e resolvemos a coisa. Confesso que ficou bem melhor e os passarinhos continuam aqui. Os vizinhos comemoraram, riram, quase brindaram com a gente. 


Voltando ao que eu disse: os vizinhos têm vizinhos... Parecem ser todos tranquilos, discretos... Pelo menos à primeira vista. Cumprimentamos todos, mas não temos intimidade com nenhum, achava coisa de holandes, mas aos poucos eles vão se aproximando... um oi vira um olá, um olá uma conversa... 


O vizinho do vizinho veio me pedir há umas semanas para deixar umas coisas na nossa garagem enquanto troca o piso. "Claro!!!" Realmente acho legal essa coisa de ajudar, dar uma força... hoje o vizinho do vizinho veio aqui pra olhar o espaço e ... "Nossa, mas eu vou ocupar toda a parte livre por duas semanas! tem certeza de que vocês não precisam de acesso livre à garagem? " "Hein?!" hahahah Ainda bem que não. Vamos ver qual será o próximo passo, já que antes disso o máximo era um oi à distância e um cartao no ultimo natal com os nomes da casa e "vizinhos da casa X". 


Eu adoro gente e nem me importo tanto, mas acho muito engraçado como as coisas acontecem por aqui. A coisa de ir comendo pelas beiradas. E, no fundo, beeeeem no fundo, os vizinhos daqui são como os de lá e do mundo todo. Aos poucos fomos percebendo que a discrição era uma forma de observar e fofocar sem ser na cara hahahah. A vizinha veio uma vez aqui bater papo e nos colocou a par da rua inteira. Eu me espantei, achava que como nós ninguem sabia de nada. ai, ai. Boba boba! 


Há um tempo atrás, chegando em casa lá pelas 2 da manhã, dei de cara com a janela do vizinho acesa e sabia que eles estavam fora. Quando a gente se aproxima da nossa porta e vê o espelho da sala deles... UIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII Filme pornô! "HEIN?????" Demos um passinho discreto para o lado e... Realmente os vizinhos estavam fora, mas a vizinha dos vizinhos que estava cuidando da casa para eles estava dentro!!! E põe dentro nisso! Que horror!!!! Detalhe: a vizinha dos vizinhos é a mesma que vai usar nossa garagem, tem uma filha da minha idade, é casada e uma senhora "séria" hauhauhauahauhauahuaha


hahaha por isso, amiguinhos, deixem as cortinas fechadas! Vizinhos serão sempre vizinhos e, ainda assim (e diante disso), eu adoro os meus e me considero "sortuda". 


;-)


p.s: o título do post é uma frase atribuída a Nietzsche. Se é mesmo, não sei... 

3 comments:

Amaline said...

Hahaha!

Minha vizinha do lado é a fofoqueira-mor da rua. Você viu que mina rua parece uma vila né?! Eu até gosto, porque quando o tempo está bom as crianças ficam brincando na rua, batendo de porta em porta vendendo as coisas, eu acho uma graça! Duas semanas antes da Páscoa a vizinha de seis anos foi lá em casa pra me vender uns ovos de Páscoa que ela mesma pintou. A mãe dela escreveu “as falas” em inglês num papel, porque ela sabia que eu estava em casa sozinha, você tinha que ver ela lendo o papel em inglês, hahaha!
Outro dia as crianças estavam brincando de pique-esconde, há muito tempo não via criança brincando na rua, só no computador.
Mas voltando ao caso da vizinha: ela mora sozinha com o marido, em frente à casa dela mora o filho com a esposa e um bebê, e na primeira casa da ruas mora a filha dela com outro bebê e o marido. A vizinha sabe de tudo e de todos. Na festinha de Natal na casa do filho dela fomos bem recebidos, mas não gostei dela…Conversamos com todo mundo, mas ela é meio sem noção, rs.
Achei engraçado quando ela falou assim: “Tá vendo fulana, minha vizinha nova vem do Brasil, bem melhor do que aquela chinesa que morava lá!”
Hahahaha, eu ri muito disso depois! Mas mesmo assim me considero sortuda com a vizinhança, tem coisa muito pior!

Rosane said...

Ah, vizinhos só mudam de endereço!!!

Eu também estou satisfeita com os meus, mas cada um tem suas peculiaridades. A do lado esquerdo, desde que tirei a carteira de motorista, fica me controlando cada vez que saio de bicicleta e o carro está na porta da casa... chatice... eu cá com meus medos e a pentelha me controlando...

A do lado direito, e o marido também, não se metem com nada. Ele é bem mais simpático que ela. Os dois trabalham um monte e saem um monte de férias, portanto, vizinhos perfeitos! Eu já consegui a façanha de derrubar minha bicicleta em cima do carro novinho dela. Putz, fiquei mal, mas falamos com ela e o seguro pagou a maior parte dos danos. Ela ficou super tranquila, não deu "xilique".

Mas apesar do controle social dá até para treinar um pouquinho o holandês entre uma conversinha e outra nas chegadas ou saídas de casa. Então não é de um todo ruim, né?

fefa said...

Line, eu acho a sua rua um charme! heheh essa coisa de criançada brincando que eu sinto falta na minha. Acho que é a única coisa que poderia ser diferente por aqui. :P Que fofa a sua vizinhazinha. Foi a mesma dos ovinhos de chocolate? hehehe holandesinha nata de fato hahahah. Mas é um barato. Sobre a vizinnha: Ui! Um elogio com uma espetada! hahaha :P Bom, mas pelo menos ela disse q prefere vc, né?! Menos mal hauhauaha

Rô, liga pra pentelha não! Faz parte! hehehehehe Diga que a bicicleta é parte do inburgering e que voce está se integrando :-P E que bom que os do outro lado equilibram, né?! hahaha E, sim, eu solto a lingua de tamancos com os vizinhos. Para nós é ótimo!

Beijocas