Friday, March 11, 2011

O dia em que um hippie e uma flor, sem querer, mudaram uma estação

Boa tarde!

Ontem, assim que eu subi as escadas da estação do meu bairro, rumo a minha bicicleta eu vi uma cena tão "esquisitamente" linda, que cheguei a esquecer do cansaço, do resfriado e de que estava ao fim de mais um dia de trabalho.

"Mais um dia de trabalho" significa acordar “5 e qualquer coisa” da manhã com as galinhas (meu despertador é um galo cacarejante), apertar 1 vez o soneca, levantar esbaforida, acordar a Kira )sim, porque ela dorme e dorme muito!), ter uma manhã no melhor estilo Edmundo (o sujeito distraído demais da música): sair correndo, me arrumar, descer as escadas, esquecer qualquer coisa, subir para buscar tropeçando, descer de novo, dar comida pra Kira, tomar meu café, pegar a “merenda” (1 maçã, 1 banana, 1 sanduíche integral), andar com a Kiraldinha, deixar ela em casa, pegar a bolsona, tirar a bicicleta da garagem, pedalar contra o vento até a estação do bairro(ok, as vezes não tem vento), achar um buraco para a bicicleta no estacionamento, brigar com a corrente, subir as escadas da plataforma, encontrar com as mesmas pessoas (ainda volto a esse assunto num post futuro), pegar o trenzinho, descer na estação seguinte, descer as escadas subir as escadas, pegar o próximo trem, com as mesmas pessoas, descer na estação seguinte, pegar mais um trenzinho, com as mesmas pessoas, chegar no vilarejo, andar 2km até a empresa, esperar todo mundo chegar, trabalhar e às vezes me entediar por não ter o que fazer, sair correndo os 2km de volta, pegar o trenzinho, correr as escadas, pegar o trenzão, o trenzinho, descer as escadas, subir as escadas, achar a bicicleta, brigar com a corrente, pedalar até em casa, andar com a Kira, cozinhar, tomar um senhor banho, relaxar, dormir e… UFA.

Por isso, esquecer ontem do cansaço da jornada e do resfriado, foi um presentão. Graças à cena mais graciosamente feia e linda do mundo. Então, eu acho que já falei que eu adoro gente (e bicho, e planta…) e adoro observar a fauna humana por pura curiosidade, para entender, sem julgar demais, olhar de cima a baixo no estilo brasuca de ser. Bom, naquele menos de um minuto a cena chamou minha atenção e, depois de muito tempo (por falta do mesmo), me peguei observando e admirando.

Ok, ok, a cena! Não tem absolutamente nada demais e por isso me encantou. Ao subir as últimas escadas, vi no alto o hippie mais sujinho, mais feinho, mais esculhambado (eu tb sou! Sou naturalmente adepta do estilo “depEjado”), mais tronchinho do mundo, com uns 30 e muitos, cabelo comprido ensebado, despenteado, de oclinhos John Lennon-Harry Potter. Imaginaram? Bom, Ele estava encostado no corrimão com umas rosas tão toscas e mal-ajambradas quanto ele, pareciam daqueles vendedores de rosa que aparecem nos bares da vida em fim de festa. Será que a pessoa tinha resolvido vender flor ao invés de artesanato? Percebi e pensei nisso no instante que eu bati o olho. Por isso, resolvi virar para trás depois de subir as escadas e dar mais uma olhada curiosa e fuxiqueira.

Ah, que lindo! Subindo as escadas estava uma moçoila, balzaca, baixinha, gordinha, um pouco mais ajeitadinha, cara de tímida, da última a ser escolhida para dançar nas festas americanas da escola (se é que aqui tem), de óculos, cabelos não ensebados, mas totalmente boi-lambeu… Os olhos tão brilhantes e tão arregalados, com um sorriso torto e lindo, subindo em direção… Ao Hippie feinho, sujinho, tosquinho! Que, apesar de estar de costas, eu tenho certeza de que estava com o mesmo brilho o mesmo sorriso… Eles se abraçaram, abrindo espaço na multidão e assim ficaram, mas num abraço “curtido”, aproveitado. Ele se tornaram o casal mais lindo do mundo, as rosas se tornaram as mais incríveis, lindas e cheirosas de todas…

E assim, as pessoas que só correm e olham, olham, olham e nada vêem por causa do cansaço e da pressa do dia-a-dia ( COMO EU!) não chegaram a parar ou seria um tropeço só, mas deram uma olhada que desemburrou rostos trabalhadores, que valeu esboços de sorrisos, ou sorrisos inteiros.

Com certeza, alguns deles, das formiguinhas-trabalhadoras do meu trem-formigueiro, voltaram para casa um pouco menos carrancudos, um pouco melhores… E me fizeram pensar que eu tenho que lembrar de ser um pouco mais como eu era e esquecer do cansaço com mais frequência.

E, assim, sem querer, sem perceber, eles mudaram uma estação inteira. Pelo menos pra mim!

Vamos nos “desemburrar”?

Começando… Já!

Tenham um lindo fim de semana!

18 comments:

Eve said...

Que texto lindo! Fiquei sem palavras. Juro.
Um lindo final de semana pra vc!
Bjs!

Tati said...

Eu topo o desafio! Imaginei a cena e sorri, meu coração se aqueceu! Lindo, ainda mais da maneira que você contou. Ah, como estava com saudade de você, Fefa!!!
Beijos.

Gisley Scott said...

A pressa do dia nos faz perder esses lindos flashes, não é mesmo? Que bom que vc não deixou essa imagem passar batido!

E pra desenburrar eu vou ali ficar chiquetosa pro marido! Bjos

Cantinho She said...

Muito bom Fefa! ;)
Beijo, beijo!
She


PS: Menina fiquei cansada aqui com a sua rotina...rs Ufa!!! :P

Dani dutch said...

Fefa, quando eu morava no Brasil, era aquela correria, saia de casa as 5:30 da manha, e voltava quase as 24:00 hs da noite/madrugada, e não tinha tempo pra nada, depois que mudei pra cá, o ritmo foi outro, com mais tempo pra mim, e pra tudo comecei a perceber melhor a natureza, e suas beldades, aqui pra esses lados de Zwolle, é um verde muito bonito. E tem uns parques perto de casa, que faço caminhada de fim de semana,(as vezes vou parar perto de outra cidade).. mas voltando ao assunto, as vezes o vai e vem do dia-a-dia é tão estressante que deixamos passar tanta coisa legal de ser.
bjuss

Tatiana said...

Fefa querida...nem acreditei quando te vi la na Tati,eu nem sabia que voce ja estava escrevendo de novo!!!
Olhando a sua foto me fez lembrar o comecinho do meu blog...rs.
Voltarei com certeza pra comentar sobre os posts com mais calma, mas é que agora tinha que vir aqui so pra te mandar um beijao!!!

Tatiana said...

Nossa..Fefa...fiquei com os oinhos cheios d'agua..rs...so imaginando a cena.
Coisas tao simples que nos traz tanta alegria.
O melhor foi voce te conseguido ver a beleza dessa cena e vindo aqui contar pra gente nesse teu post hilario, divertido e finalmente ,liiindo.
Eu ia voltar mais tarde pra comentar, mas comecei a ler e nao consegui parar!!!
Beijocas Fefa!!

Jaboticaba Preta said...

amei o relato. A primavera faz maravilhas :D

kalina morena said...

que cena linda!!! lindo tambem eh sua percepcao do amor que pode estar ai, para quem queira ver e vive-lo.

Josane Mary said...

Oi, Fefa tudo certinho?
Encontrei o seu blog, visitando o da Maíra - que encontrei no ‘Mundo Pequeno’ - e vim fazer uma visitinha!
MARAVILHOSO o post!

Também sou expatriada; sai do Brasil em 2000, e desde 2003, também moro na Holanda.
(O choque cultural existe e acaba sendo benéfico - de uma maneira ou de outra -. Sou da opinão que existem coisas boas e ruins em qualquer lugar do planeta! Nós é que temos que ressignificá-las à nossa moda!)

Será uma alegria se visitar o meu cantinho virtual, que é: http://josanemary.wordpress.com/mevrouw-jane/

E será uma outra alegria, se quiser ler o prefácio do meu livro: Mevrouw Jane (o prefácio não foi feito por mim, mas por um outro escritor, um já reconhecido no mundo literário). Se gostar – ou não - por favor, deixe um comentário; vou adorar ler a sua opinião!

Tenha um ótimo dia! Amanhã não será tão quentinho quando o dia hoje foi, mas mesmo assim: VIVA A PRIMAVERA!
Grande abraço.
Josane Mary

Camila said...

Fefa,
acabei de descobrir seu blog..
e só tenho uma coisa pra dizer.. Você manda bem demais!!
abraço!!
Camila

Cantinho She said...

Passando por aqui, espero que vc esteja bem... ;) Beijo, beijooo
She

Anonymous said...

Estamos sentindo sua falta. Marcia

Anonymous said...

Oi Fefa! Tem tempo que vc não escreve e espero que vc esteja bem. Gostava e aprendia mto com os seus posts e espero que vc não desista de vez do blog.
Bjs, Paula

Verônica said...

Olá,

Realmente é muito bonita essa história, se você tivesse um momento de distração e não teria notado essa mensagem que a vida nos passa todos os dias. Adorei a riqueza de detalhes com que foi contada a história.

Abraços,
Verônica
www.falaturista.com.br/destino/hotel-sao-paulo

Fernanda Amorim said...

Oi xará! rs
Acabei de descobrir seu blog! Adorei o texto...

Sobre o hippie, não dá pra julgar..namoro com um..hahaha
Vendia artesanato e td! Julgamos muito pela aparencia..estamos juntos há quase 5 anos..meus pais o adoram.Ele já não faz mais isso, acho que mais por mim, pq as pessoas olham tão atrasessado, sabe?Hj ele trabalhaa, mas às vezes acho que ele se sente preso à rotina..sei lá..anyway, acho que já falei muito.Estou mudando pra Irlanda e logo saberei o que é ser expatriada.


bjoo

Falando de Tudo um Pouco said...

Nossa, viajei imaginando a cena... :)
Lindo, lindo e lindo.
Rachel

Willian Bugiga said...

A paz de Cristo,gostaria de indicar meu blog:willian bugiga e o site:www.convertidos.com.br
Fiquem na paz.